segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Esdras: Atitude, peso e técnica no EP Mais Próximo do Fim



A banda sorocabana de metalcore estreou em grande estilo com este EP.




Produzido, mixado e masterizado pelo renomado Tiago Hospede, o registro conta com seis canções que mostram um pouco do belo trabalho do grupo.

Com instrumentais potentes e letras inteligentes, a banda provoca uma reflexão sobre os dias atuais, como diz o baixista Cádio Michelsen: “Com “Mais Próximo do Fim” estamos falando da humanidade ou a falta dela. Para onde estamos levando o planeta? Vemos coisas ruins acontecendo e achamos que o mundo enlouqueceu. Pode ser que o fim esteja mesmo próximo e ninguém se deu conta, estamos todos alienados. Ou somos nós que enlouquecemos por pensarmos assim?”.

Snake abre o registro com propriedade, trazendo riffs rápidos ao melhor estilo thrash e uma melodia que não sai da cabeça. A batera com a famosa pedaleira dupla comendo solta e belas viradas que só ajudam a canção a ser uma daquelas pra abrir o bate cabeça seja no meio da pista ou na sala de casa.  Há variações no andamento que não deixam o som enjoativo.

“Contar os passos antes de errar
Demorou pra perceber qual é o problema.”
Snake - Esdras

Chuva de Fogo mantém a energia da primeira, trazendo um arranjo que mescla a pauleira com a cadência. Além disso, o vocal potente de Rafael Moraes casa muito bem com a proposta da banda.



Espinhos começa com um riff pesado de guitarra e traz uma melodia mais cadenciada em grande parte de seu andamento e força nos refrões. A composição fala sobre o orgulho de ser um boa pessoa, conseguindo passar pelos espinhos presentes em todo o caminho que percorremos em nossa vida.

“Uma gota de sangue num caminho de espinhos”
Espinhos - Esdras

Interlude faz a transição da primeira parte do disco com a segunda de forma brilhante. Uma instrumental linda que vai crescendo e se transforma num tema envolvente e grandioso.




Três batidas na caixa regem o início de Maria da Penha. Uma canção forte no arranjo e na letra, pois sabemos que as mulheres ganharam mais espaço na sociedade nos últimos anos, mas a igualdade perante os homens ainda está longe de ser atingidade. O pensamento patriarcal e a intolerância ainda contribuem negativamente para isso. A banda foi feliz em expor muito bem o tema.

“Covarde de merda
Quero ver me enfrentar!”
Maria da Penha - Esdras

Pote de Ouro possui grooves pesados que exigem que o ouvinte mexa alguma parte do corpo para acompanhar a vibe da canção. O baixo de Cádio Michelsen responde bem quando exigido e a variação de andamentos mantém a mesma qualidade das outras composições.

Um disco muito bem produzido e mixado que mostra que a indignação com as mazelas da sociedade ainda é combustível para protestar contra as mesmas por meio da arte, nesse caso, o bom e velho rock and roll.

O Esdras fez um belo trabalho e é uma ótima opção de audição para aqueles curtem um metalcore bem feito e com conteúdo.

É bom e é nacional galera.

FICHA TÉCNICA
Ano: 2014
Artista: Esdras
Álbum: Mais Próximo do Fim [EP]
Músicos: Rafael Moraes (vocal), Rafael Kenji (guitarra), Tiago Valsechi (guitarra), Cádio Michelsen (baixo), Conrado Campos (bateria).

Track list
01 Snake
02 Chuva de Fogo
03 Espinhos
04 Interlude
05 Maria da Penha

06 Pote de Ouro

Links relacionados:

Dossiê do Rock: Revelando o passado. Incentivando o futuro.